O Facebook é o seu pior inimigo

Às vezes eu acordo e gosto de lembrar de uma época mais simples. Não estou falando de tecnologia - eu amo a tecnologia. Adoro celulares, aparelhos, apetrechos diversos. Todo tipo de bugiganga me fascina. Estou falando de quando a gente conversava sobre política, entre outras coisas.

"Mas que absurdo" alguns dirão. "Eu falo sobre política todos os dias, me informo, não fico alienado." Bem meu camarada, se acha que entrar no Facebook diariamente é o suficiente para isso, tenho uma péssima notícia para te dar.

O Facebook manipula descaradamente as informações que chegam em você e também a forma como você utiliza o site. Isto aqui é um blog, não é um jornal que exige referências, mas ainda assim elas são fartas. Que tal confiar na opinião daqueles que estavam lá desde o início?

O lance é o seguinte: o Facebook é que decide o quê você vai ler. Quando vai ler. Até mesmo "como" vai ler. Nós já sabemos que a ferramenta abastecida à base de cliques de dopamina entre seus usuários escolhe qual conteúdo você receberá e claro, quem pagar pela propaganda terá mais retorno.

Durante cerca de um ano eu escrevi para o site dos Coelhos Ninjas e lembro que não foi nem um pouco desafiador entender como maximizar o alcance dos nossos posts e público-alvo. Bastava pagar por isso. E pior, foi no mesmo momento que percebi que quando se você pagar ao Facebook para ganhar seguidores ("promover sua página"), receberá uma legião de perfis falsos e/ou "bots".

Um amigo pessoal meu que é publicitário, designer e empreendedor já me bateu a real quanto a isso: o número de seguidores numa página em redes sociais é uma questão de "status". E para piorar, o algoritmo do Facebook só permite que as postagens de uma página (ou indivíduo) só alcance um percentual do seu total de seguidores. Isso é o mais triste: quanto mais seguidores, mais chances de que as pessoas leiam o que você escreve ou quer repassar.

Em redes sociais deste tipo, filtrada e manipulada, sua opinião vale tanto quanto uma nota mofada de Cruzado Novo. Até por que "aquela descarga boa" de dopamina de quando alguém curte algo teu tem que ser dosada, controlada. Caso contrário, as coisas podem sair dos trilhos não é verdade?

Quando usamos um site como o Facebook, Instagram, Twitter ou coisa que o valha, como única fonte de referências, informações e notícias, estamos limitando a nossa visão, estamos encurtando nosso alcance. E é por isso que precisamos urgentemente parar de falar sobre política no Facebook. Quando achamos que esta malfadada rede social é um espaço de congregação política, uma acrópole onde a vida na polis pode ser discutida, que é uma arena para debate... É aí que começa a morrer a esperança.

Acredite em mim quando digo que você não quer que sua opinião política seja manipulada por quem tem mais dinheiro para pagar pela divulgação de sua própria página, ou de suas postagens. Não me interessa sua posição no espectro político, todos somos manipulados e achacados diariamente enquanto continuarmos usando o Facebook como arena para o certame.

E é por isso que eu sigo com o sentimento de que 2018 será um ano terrível, mas continuo com a esperança de que 2019 seja um ano melhor, pois será o primeiro ano desde 1988 onde o Sr. Jair Bolsonaro não mamará nas tetas do governo e no dinheiro dos nossos impostos - nem como presidente, nem como deputado, na verdade não será nada. Será apenas mais um desempregado.

Menos Facebook, mais amor, gente. E menos Bolsonaro nas vidas de todos.
Postar um comentário