14.4.12

Praticando a Arte do Insulto

Recentemente tive problemas com a internet. Não foi com uma pessoa em especial, ou com um grupo das mesmas. Foi com a internet mesmo.

Algumas pessoas que eu não conheço passaram a visitar este meu blog e fazer comentários. Percebi que era gente que queria aparecer. Eventualmente acabei me irritando com elas, mas aí percebi uma coisa: algumas dessas pessoas não tem nome e não tem rosto. Escondem-se atrás de "aliases", de apelidos anônimos, siglas misteriosas e tendem a elevar a um patamar muito interessante. Elas realmente acreditam que tem mais importância do que possuem de fato.

Aí comecei a pensar com meus botões: eu não dou importância a este tipo de gente, mas aparentemente elas adoram vigiar minha vida, o que eu escrevo, o que eu penso. Então posso presumir que quem está em destaque não são elas, sou eu. Se a minha opinião é tão relevante para elas, é porque eu devo estar fazendo algo de certo - ou errado.

O que estou fazendo de errado é prestar atenção no que escrevem os covardes anônimos (que como diz o aviso ali do lado, são convidados a se retirarem e todos os comentários anônimos ou de pessoas cujas existência física não possa ser comprovada serão removidos). Eu não preciso deste tipo de gente, mas aparentemente eles precisam de mim.

A internet possibilita este recurso covarde e inconstitucional do anonimato. Qualquer um pode se esconder atrás de um e-mail falso, uma foto falsa, um nome falso. É a coisa mais simples do mundo. Então o meu problema é com a internet, não com as pessoas infelizes que utilizam tais recursos. As discussões seriam muito mais saudáveis se fossem como na vida real: entre pessoas de verdade. Mas o que temos aí são n³ "trolls", "flamers" e etc.

Então se você me trata como se eu fosse famoso ou relevante, te darei tratamento equivalente. Como qualquer famoso ou pessoa de grande importância, vou te ignorar, fingir que você não existe. Você terá que se deliciar com aquilo que eu escrevo silenciosamente, ou gritando com a sua meia dúzia de leitores e parceiros. Mas conviva com o conhecimento de que sua opinião é algo completamente irrelevante para mim.

Aprendi isso com este cara aqui. Ele é famoso e rico, deve saber o que faz:




Nenhum comentário: