Una muerte es una tragedia, Esteban!

Estava lendo sobre regimes totalitários na Wikipédia e achei uma lista de características comuns a estes regimes, sejam de esquerda ou de direita. E comecei a pensar na Venezuela do bolivarista Hugo Chavez. Sabem, aquele que não saber fechar o bico?

Agora vejam as características listadas abaixo, todas inerentes a regimes totalitários, e me digam se elas não lembram um pouco o que acontece agora na Venezuela:

- Centralização dos processos de tomada de decisão no núcleo dirigente do Partido;
- Burocratização do aparelho estatal;
- Intensa repressão a dissidentes políticos e ideológicos;
- Culto à personalidade do(s) líder(es) do Partido e do Estado;
- Patriotismo, ufanismo e chauvinismo exacerbados;
- Intensa presença de propaganda estatal e incentivo ao patriotismo como forma de organização dos trabalhadores;
- Censura aos meios de comunicação e expressão;
- Paranóia social e patrulha ideológica;
- Militarização da sociedade e dos quadros do Partido.

Coincidência? Nah...

Adoção Felina

Segue abaixo matéria que saiu hoje no jornal O Fluminense. Que estiver interessado em adotar um gato, os dados mais completos do Zoológico de Niterói estão aqui:

Endereço: Alameda São Boaventura, 770
Fonseca - Niterói/RJ
Telelefone: (21) 2721-7069 / (21) 2625-6024
Site do Zoonit


---

Permanência de gatos no Zoológico de Niterói ainda é dúvida

Rodrigo Rebechi para O Fluminense (22/03/2010)

O Zoológico de Niterói (Zoonit) ganhou mais um dia para evitar que o Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) puna o órgão por manter dezenas de gatos espalhados pelo local. Segundo a instituição federal, animais domésticos não podem ser mantidos em ambientes onde há presença de animais silvestres. A reunião que seria realizada nesta segunda-feira no Ibama foi adiada para amanhã.

A presidente da Zoonit Giselda Candiotto irá solicitar um prazo maior para distribuir os cerca de 40 felinos abandonados no local. Para Giselda, o prazo inicial é insuficiente para a Zoonit doar os animais.

Segundo Giselda, os gatos não podem ser abandonados em qualquer lugar. Ela também disse compreender a posição do Ibama, mas o zôo de Niterói precisa de um maior prazo para intensificar a campanha de doação, argumentou. Ela acha que 90 dias são necessários. O prazo dado pelo Ibama venceu na última sexta-feira.

Quem desejar adotar algum felino, pode entrar em contato com o telefone 2721-7069. Os interessados precisam demonstrar que tem condições de cuidar dos animais. Todos os gatos são castrados e vacinados.

Independência ou Royalties

O texto abaixo é anônimo (ou alguém limou injustamente o nome do autor) e o twitter do "movimento" (ainda) não tem seguidores, mas achei engraçado. Eu votaria por uma monarquia, assim consigo motivação para resgatar meu título de nobreza. Viva a utopia da França Antártica... Ehr, digo, da República do Rio de Janeiro!

Bart

---
Povo do Rio, uni-vos! Admiro todos aqueles que prontamente saíram em defesa do Rio contra a violência da emenda Ibsen Pinheiro. Existe, entretanto, um problema de foco nas reclamações. Nós fomos agredidos, querem tirar de nós 7 bilhões de reais por ano, o que significa decretar nossa morte. Qual estado no mundo sobrevive com uma perda abrupta de receitas desta grandeza? Precisamos contra-atacar com a mesma força. Não nos limitemos a reclamar o que queremos nos tirar - os 52,5% que temos direito. Por que não reclamar para nós os 47,5% que hoje não temos direito?

Sim, queremos os 100% dos royalties de petróleo e se o resto do Brasil não aceitar, declaremos Independência, criemos um país e, este sim, inequivocamente, terá direito a 100% dos royalties! Vamos fazer do limão uma limonada. Chegou a nossa hora, vejamos.

Somos 16 milhões de pessoas, temos 43 mil km2 e muitos indicadores sociais comparados a países desenvolvidos. Seríamos o 45o. país do Mundo por PIB, acima do Uruguai e Chile e um pouco atrás da Argentina, mas por pouco tempo. Lembre-se, com 100% dos royalties do pós e pré-sal, já-já pegamos os hermanos e ficaríamos apenas atrás do Brasil. Temos uma geografia ímpar, com praias e montanhas. Temos rica cultura, com destaque para o carnaval e a bossa nova, um gênero musical internacional. Quantos países tem o seu? Temos belezas naturais, como o Pão de Açucar, e um monumento de rara beleza, eleito umas das sete maravilhas do mundo moderno, o Cristo Redentor. Temos até o oitavo maior bilionário do planeta, que poderá dar recursos para nossa campanha de independência. Se ele bancou a campanha da RIO 2016 e a despoluição da Lagoa, com certeza vai embarcar nessa.

Temos as mais lindas mulheres, Copacabana e o Leblon (ah, o Leblon...). Temos cidades turísticas para todos os gostos. Históricas, como Paraty. Litorâneas, como Angra ou Búzios, e de serra como Itaipava ou Mauá. Temos o melhor time de futebol do Brasil (amigos, não quero fazer avaliações subjetivas que nos desunam neste momento, mas o Flamengo é o atual campeão brasileiro, é um fato).

Temos as Olimpíadas de 2016 na cidade do Rio e a copa de 2014 que será, a princípio, no Brasil. Lembrem-se que nós temos o João Havelange e o Ricardo Teixeira. Separando-se do Brasil, onde você acha que ficará a copa do Mundo? Pense. Com o dinheiro dos royalties criaremos novas sedes, reformaremos os estádios de Caio Martins (Niterói) Godofredo Cruz (Campos) e Alair Correia (Cabo Frio) e Raolino de Oliveira (Volta Redonda). Porque não criar uma sede em Angra, Itaipava ou Mauá. Nós podemos, teremos 100% dos royalties.

Temos localização estratégica, no litoral e com boa infraestutura portuária e areoportuária (quando a Infraero largar o Galeão deixaremos ele um brinco) para escoar nossa produção. Estamos ao lado de dois mercados consumidores de massa, São Paulo e Minas, que compram tudo que tem o estilo de vida do Rio. É uma pequena China ávida por nossos produtos, logo aqui do lado, e agora geraremos superávits comerciais por exportar. Para cada bermuda da Osklen que um playboy paulista comprar (eles compram muito), mais um trocado entrará na nos contas externas do nosso país. A Rede Globo vai exportar novelas para todo Brasil, gerando mais divisas para o país. Imagina se cobrássemos royalties sobre tudo mais que eles copiam: nosso carnaval, nossos botequins, nosso funk...

Com tantos atrativos e recursos para resolver nossos problemas históricos, mais e mais turistas brasileiros virão ao Rio de Janeiro. Terminaremos de vez com o problema da violência nas comunidades, o Vidigal virará uma Positano carioca. Imaginem: hotéis, lojas bares e restaurantes com vista cinematográfica das praias do Leblon e Ipanema. E nós exigiremos visto, poderemos escolher quais paulistas, mineiros ou gaúchos queremos receber, evitando uma invasão no nosso Rio.

Poderemos escolher nosso sistema de governo. Que tal uma charmosa monarquia a beira mar, como Mônaco? Apenas como exercício, pensem em Eike Batista I como nosso Rei, o Rei do Rio de Janeiro. Que tal? Se não gostou, podemos ficar na democracia mesmo. Cabe a nós decidir o nosso futuro. O importante é que nos livraremos do Lula e não precisaremos escolher entre Dilma e Serra. E o melhor, não precisamos carregar um fardo chamado Brasil.

Já temos toda estrutura para receber o governo do novo país. O chefe de estado volta a ser instalar no histórico Palácio do Catete, teremos uma única câmara (o senado brasileiro já nos mostrou que não tem motivo para existir) que ficará instalada no Palácio Monroe, totalmente reconstruído.

A hora é de ação, precisamos nos mobilizar que vai dar certo! Como eu sei? No momento que declararmos independência viraremos um assunto de política externa para o Lula e aí, amigo, a história nos diz: ele entuba tudo. Aceitou desapropriação de ativos brasileiros na Bolívia, perdoou dívida de vários países, reconheceu a China como economia de mercado e ainda vai entubar uma sucata aérea francesa para defender as fronteiras do Brasil.

No pior dos casos, damos nossa cartada final. Apoiamos o Brasil para uma assento no conselho de segurança da ONU em troca da tão sonhada independência. E, por fim, a maior das injustiças já cometidas à esta cidade será revertida. O Rio voltará a ser a capital do país, a capital do Rio de Janeiro! Chegou a nossa hora, Independência ou Royalties, esse é o nosso grito!

Você deve se perguntar, este país não tem defeitos. Sim, amigo, todo país tem, nós não estamos livres também. Teremos uma extensa fronteira com o Brasil. O Brasil do Ibsen Pinheiro.

Junte-se a nós!

Movimento Rio Independente
rioindependente@hotmail.com
twitter: @independenterio

Show da Vanessa Lynn

Então galera, há tempos eu não faço esse "spam" para eventos e afins. Desta vez é por uma causa nobre: o show da minha grande amiga Vanessa Lynn e Banda.

Nesta sexta-feira vai rolar a semifinal do 9º Festival Coletânea de Bandas. Eu estarei lá porque a música, a pizza e a bebida são boas, mas melhor do que isso, os shows da Vanessa Lynn e Banda sempre são sensacionais! É rock puro na veia, tri-destilado e sacudido para dar mais efeito.

Segue abaixo o serviço do evento:

9º Festival Coletânea de Bandas
Local: Heavy Rock Pizzaria
Endereço: Rua Riachuelo, 18 - Lapa
Data: Sexta-feira, 19/Março
Horário: 20 horas
Ingresso: R$ 20 (com R$ 10 de bônus no bar)
(http://www.heavyrockpizzaria.blogspot.com/)

Óleogate

Eu gostaria de expor minha opinião sobre o assunto. Esta discussão toda sobre os royalties do petróleo é bem simples: trata-se de um mecanismo para distribuir melhor a renda dos royalties entre todos os Estados da União. Faz até sentido, olhando-se a proposta de forma holística.

Entretanto, nós sabemos que a coisa não foi acionada porque os políticos em Brasília são boas pessoas que querem o melhor pra população. Toda pequena cidade que começar a ganhar a grana do petróleo vira automaticamente curral político dos deputados (e possivelmente senadores) que votaram a favor do projeto. Some-se a isto o fato de que estamos em ano eleitoral... Não precisamos ser muito espertos para entender, certo?

Agora vamos para a situação dos Estados produtores, como o Rio de Janeiro. Políticos são corruptos, com raras exceções. Com a enxurrada de ouro negro no Rio, muitas prefeituras começaram a reverter o benefício com obras para a população, mesmo com a corrupção comendo solta por aí. Digamos que aqui ganha-se tanto dinheiro que "até sobra um pouquinho pra fingir pro povo que alguma coisa é feita". Macaé é a exceção, porque lá simplesmente NADA é feito para a população local, a menos que seja pago pela Petrobras.

Com a drástica redução dos royalties no Estado do Rio de Janeiro, os corruptos voltarão ao estilo antigo: secar a fonte e não deixar nada para o povo. A corrupção aumentará, tanto aqui como nos outros Estados que receberão os "novos" royalties. Todo mundo cresceu o olho para o dinheiro do petróleo e o que acontecerá? O Rio será largado às traças, violado, destruído, abandonado. O crescimento do Estado será cerceado e apesar de que supostamente as empresas não seriam afetadas pelo novo projeto, anotem aí: a carga tributária vai aumentar, começando pelo ISS, de regulamentação municipal.

A tal "Lei Ibsen" será um marco lembrado com vergonha pela população do Brasil no futuro: é a institucionalização do curral político e coronelismo a nível nacional.

A Feira Satânica

O Salman Rushdie foi confirmado para vir à FLIP (Feira Literária de Paraty - RJ) em Agosto. Para quem não sabe ele é o autor do livro "Os Versos Satânicos", que lhe rendeu moderada aclamação da crítica e uma sentença de morte do Irã no final dos anos 80.

Para quem insiste em abster-se da instável wikipédia ou do conhecimento básico de eventos contemporâneos, obviamente Rushdie vem sendo caçado e perseguido por radicais fãs do Darth Khomeini há mais de 20 anos. A sentença de morte foi emitida, ele vem sendo constantemente ameaçado de morte, mas não conseguiram dar cabo à sentença, caso contrário seria necessária a presença de um médium na FLIP para intermediar a sessão de autógrafos como o autor (poderia ser chamada de "sessão psico-autografada"?).

Na verdade o meu ponto é: o Brasil agora é amiguinho do Irã. O Lula até contraria a titânica norte-americana Hillary Clinton (Calamity Hilly para os íntimos) para continuar amigo do Irã. Ok, até aí nada muito estranho, o Brasil sendo aliado de um país com um déspota que faz o que bem quer e entende com a população e ainda é aplaudido. Nós fazemos isso há anos com o Hugo Chávez, que nem está tão longe né? Mas eu estou divagando.

Voltando, o Brasil é amiguinho do Irã (e da Venezuela). Amiguinho do Irã, país que praticamente colocou um preço na cabeça de Billy "Rushdie" The Kid (a recompensa é um lugar no Paraíso por ser um bom crente, bonito isso, não?). E de repente o cara é confirmado para vir ao Brasil, ficar numa cidade pequena, num evento seleto com poucas pessoas e provavelmente pouca segurança. Fica a pergunta que assim como Hugo Chávez não se cala: seria uma cilada?

Eu se fosse o Rushdie contratava um monte de seguranças para andarem com ele por todos os cantos e não sairia do hotel sem um bom colete de kevlar. Se isso não for proteção suficiente contra um assassino internacional, pode ajudar a sobreviver numa potencial estadia no Rio de Janeiro, caso ele queira dar uma voltinha na praia.