21.7.09

Ouro ou pirita, você escolhe

Um dia você levanta e liga a TV. Aí vê deputados e senadores alardeando uma cruzada em prol da moral, da ética e da honestidade. Como eles fazem isso? Criando uma CPI. Na verdade, estes são os mesmos parlamentares que nas outras mil CPIs ao invés de atacarem, se defendem, protegem seus colegas. Ou são acusados. Mas todo mundo esquece das CPIs rapidinho, afinal, de contas, elas só são úteis para movimentar recursos e influência num determinado momento, a curto prazo, não?

Cansado da TV, chega a hora de ler o jornal. Mas qual jornal? Aquele mesmo folhetim de distribuição nacional que num dia luta pela liberdade de imprensa mas no dia seguinte omite todos os erros e falhas noticiadas com má fé pelos seus jornalistas? Um jornal tendencioso, omisso, covarde e que apenas serve para cumprir com os interesses de uma elite que na verdade nem tanta influência tem mais, afinal de contas, o povão prefere ler sobre a vida privada do Romário e saber se ele pagou ou não pagou a pensão alimentícia?

Aí você lembra que existe uma válvula de escape. Chama-se "social networking". Bonito, não? Orkut, Facebook, Twitter, Digg.it, MySpace, entre outros. Você decide se interar sobre o que seus amigos estão dizendo. Aí percebe que todo mundo num dia reclama ou louva certas coisas, e no outro está praticando exatamente o contrário daquilo.

Juro, eu entendo pessoas que mudem de opinião com rapidez. Já aconteceu comigo um milhão de vezes. Mas se há algo que eu abomino são psicoses maníaco-depressivas entrando na minha vida através de um leitor de feeds. Talvez seja por isso que estou cada vez mais desistindo de escrever crônicas e colocá-las aqui no meu site. Faço isso para quem? Eu mesmo? Para apenas minha mulher ler e mais uma meia dúzia de pessoas? Isso porque ainda existe a chance que daqui a alguns anos algum dos meus textos circule a internet sob a autoria do Luis Fernando Verissimo, mas sinceramente não quero que isso aconteça.

Tudo o que escrevo, seja uma crônica, uma piada, uma crítica, resenha, sátira ou farsa, o faço porque genuinamente gostaria que as pessoas lessem. Porém vivemos a época na qual uma opinião pode ser melhor exprimida mediante cento e quarenta caracteres (bem abreviados) ou um auto-retrato feito com câmera digital à frente do espelho. Vamos encarar a realidade: as pessoas nunca quiseram "a verdade nua e crua". Todas as personas que admiramos e amamos, construídas com suor árduo e criatividade ao longo de séculos estão sendo comprimidos e resumidos a poucas palavras e imagens de beleza efêmera.

Nunca mais teremos uma Betty Page, sensual, linda e provocante, porque sua mística se devia boa parte ao fato de que ela virou uma pessoa reclusa. Desapareceu das manchetes como um mágico em meio a fumaça artificial. Hoje em dia, Ms. Page seria rapidamente substituída por outra bimbo qualquer, muito menos interessante, mas disposta a aparecer. Sua imagem? Seria deturpada por uma série de adolescentes panacas, munidas de conjuntos de maquiagem e máquinas com megapixels contados já às dezenas.

Nunca mais teremos um Ernest Hemingway. Suas aventuras e indagações, o horror e alegrias pelos quais passou, hoje seriam tema de um blog com não mais do que cem ou duzentos seguidores fiéis. Seu suicídio seria acompanhado por milhares de mensagens e scraps no orkut, mas no dia seguinte, outro blogueiro mais interessante apareceria falando sobre as mesmas coisas, com menor intensidade. Este, porém, vivo.

Talvez John Lennon fosse a favor do download ilegal de músicas. Talvez fosse contra. Coco Chanel não criaria e renovaria tendências, apenas as seguiria? Lima Barreto ao invés de alcoólatra seria cocainômano e teria morrido de overdose e não se suicidado?

Eu quero escrever, quero tocar guitarra, quero aprender uma nova receita na cozinha, quero ir ao cinema com a minha esposa e quero conversar com uma saudosa amiga no bar. Quero também aos poucos me afastar de uma vida virtual, pois na Nova Califórnia da internet as ossadas dos mortos são transformadas em ouro com celeridade, o ouro perde o brilho da noite para o dia e as opiniões, idéias, imagens e conceitos não tem mais nenhum valor. Eis o niilismo desta maldita inclusão virtual.

Nenhum comentário: